you're reading...

Em Português

Santander faz malabarismos e reforça capital

Depois de uma corrida contra o tempo, o Santander pode começar o ano aliviado. Cerca de seis meses antes do prazo final dado pelas autoridades europeias, o banco espanhol anunciou ontem que conseguiu reforçar seu capital, conseguindo levantar € 15,3 bilhões.

Uma série de medidas ajudou o banco a alcançar o índice de 9% de capital principal em relação ao risco ponderado, sendo que o Brasil teve importante contribuição. Mundo afora, o Santander converteu títulos de dívidas em ações (€ 6,8 bilhões), converteu ações preferenciais em ordinárias (€ 1,9 bilhão), embolsou dividendos complementares de 2011 (€ 1,6 bilhão), vendeu ativos, como uma participação de 8% da unidade chilena (€ 600 milhões), arrumou outras trocas acionárias e gerou capital organicamente (€ 4,2 bilhões).

Responsável por 25% do resultado grupo, o Brasil certamente engordou o capital da matriz. De janeiro a setembro, o Santander Brasil lucrou R$ 2,7 bilhões. Mas não foi só isso. Uma transação fechada pelo Santander Espanha envolvendo a subsidiária brasileira há mais de um ano também está trazendo alívio ao grupo agora. Em outubro de 2010, a matriz vendeu para a Qatar Holdings, braço de investimentos do fundo soberano do Qatar, € 2,7 bilhões em títulos obrigatoriamente conversíveis em ações do Santander Brasil. É o equivalente a 5% da unidade brasileira.

Apesar de no ato da venda dos papéis o dinheiro já ter entrado no caixa do Santander, o banco não podia contabilizar esses recursos como capital. Isso porque a conversão, apesar de obrigatória, ainda não ocorreu, só se dará no vencimento dos bônus, em 2013.

Agora, ao separar em um outro banco as ações que entregará à Qatar Holdings no vencimento dos bônus, o Santander conseguiu com os reguladores o direito de poder registrar o dinheiro no capital. O banco informa que o acordo para já retirar as ações do seu balanço foi costurado na semana passada. Em comunicado, o Santander informa que transferiu 4,41% do capital da unidade brasileira a uma instituição financeira.

“Pegamos o dinheiro em 2010 e o que conseguimos agora é o tratamento dele como capital”, afirmou ao “Financial Times” José Antonio Alvarez, diretor de finanças do Santander. Agora a meta do banco é alcançar até junho de 2012 um índice de 10% de capital.

O banco anunciou outra mudança envolvendo o Brasil. Uma fatia de 5,18% do Santander Brasil que era detida pelo Grupo Empresarial Santander foi transferida ao banco Santander Espanha. A instituição, porém, não detalha os motivos dessa operação.

No Brasil, as units do Santander encerraram o dia em alta de 1,58%, a R$ 15,34, enquanto o Ibovespa subiu 0,82%. O principal motivo da alta, segundo analistas, é que, ao alcançar o capital mínimo, dilui-se o risco de o banco vender fatias adicionais da operação brasileira. A transação com o bônus do Qatar deixou o Santander mais perto de alcançar 25% de ações em circulação até o fim deste ano (agora está em 22,75%). Na Espanha, os papéis encerraram o pregão estáveis.

Por: Carolina Mandl
Fonte: Valor Econômico 

Newsletter

Banners



Outros Sites

Parceiros