you're reading...

Artigos

O clima na real

Meta de deter aquecimento em no máximo dois graus é miragem

Não tem aquela história de meio cheio ou meio vazio. O copo da COP-21 sobre mudanças climáticas está cheio, mas furado. O objetivo de deter o aquecimento global do planeta em no máximo dois graus neste século é uma miragem que, embora disponha de todos os meios tecnológicos e sociais necessários para se tornar realidade, não é mais possível de ser alcançado por falta de governança global.

O acordo de Paris foi apresentado como histórico. E é, no sentido de que o reconhecimento de que as mudanças climáticas são reais, perigosas para a humanidade e, portanto, a transição para um mundo de baixo carbono é imperativa e inevitável, ficou claramente estabelecido. Infelizmente, com mais de 20 anos de atraso em relação a um conhecimento cientifico sólido e robusto.

De maneira um tanto hipócrita decidiu-se “mirar” em 1,5 grau. Útil para alertar sobre a gravidade dos impactos das mudanças climáticas mas fútil, e algo cínico, por desviar a atenção de que, na melhor das hipóteses, caso ocorra uma revolução na produção e no consumo, chegar perto de três graus já está contratado.

A conta é bem simples: para termos 66% de chances de ficarmos em torno de dois graus poderíamos “jogar” na atmosfera do planeta, de 1880 a 2100, mil Gtons de CO2 equivalentes (considerando todos os gases de efeito estufa). Já colocamos 730 Gtons. Faltam, portanto, 270. A cada ano colocamos, no mínimo, mais 10 Gtons de CO2. Em 27 anos nosso “orçamento” estará encerrado, e a temperatura média do planeta rumando para 3, 4 ou 5 graus neste século.

A COP-21 definiu como método para atingir seus objetivos as contribuições voluntárias de cada país, que, agregadas, deveriam permitir cumprir o “orçamento” de carbono acima. Ainda assim, a soma dos compromissos é insuficiente por boa margem.

Qual economista, administrador de empresas ou bom gestor público apostaria o futuro da população humana (ou as contas e metas de sua empresa ), numa situação de emergência, em contribuições voluntárias que, se não atendidas, não implicam qualquer perda, custo ou punição? E isso em um tempo longo, onde todos os envolvidos com o “possível” fracasso já estarão aposentados ou mortos?

Em uma economia globalizada onde a única governança realmente funcional ( nesse período histórico ) são as regras do mercado, não existe outra possibilidade de atingir um resultado tão ambicioso, a não ser enviar a todos o sinal correto, colocando nos preços das coisas, todas elas, o custo de aquecer o planeta, isto é, de emitir gases de efeito estufa.

Continuamos a fazer o contrário: subsidiamos os fósseis em mais de meio bilhão de dólares por ano mesmo com o petróleo a menos de US$ 30 o barril. Apertem os cintos, o planeta vai mudar. Ou, tentando encher o copo, a luta continua.

Sérgio Besserman Vianna é economista

Fonte: O Globo

Newsletter

Banners



Outros Sites

Parceiros