you're reading...

Em Português

Seguradoras ficam atrás dos fundos de pensão no combate aos riscos climáticos e ameaçam choque financeiro

Especialistas em riscos ignoram implicações para suas carteiras, colocando trilhões em risco

A indústria global de seguros não está respondendo ao desafio das alterações climáticas, colocando trilhões de dólares de investimentos em risco e ameaçando a estabilidade financeira, revela um novo estudo do Asset Owners Disclosure Project.

Os investidores institucionais estão começando a tomar medidas para proteger suas carteiras do risco climático, mas a análise dos 500 maiores proprietários de ativos do mundo feita pelo AODP revela que as seguradoras estão ficando muito atrás dos fundos de pensões.

As seguradoras gerenciam um terço do capital de investimento do mundo, com cerca de US$ 30 trilhões em ativos. Em um discurso para esta indústria, Mark Carney, presidente do Banco da Inglaterra e presidente internacional do Conselho de Estabilidade Financeira (FSB-Financial Stability Board), alertou que elas estão se arriscando a perdas “potencialmente enormes” resultantes da ação climática que poderia deixar vastas reservas de combustíveis fósseis como ativos sem valor.

O FSB lançou agora uma força tarefa para recomendar como proprietários de ativos, as empresas nas quais investem e os intermediários financeiros devem informar o potencial impacto das alterações climáticas nos seus resultados.

O Global Climate 500 Index 2016: Insurance Sector Analysis do AODP concluiu que as seguradoras têm um desempenho pior e estão mais atrasadas em relação aos fundos de pensão sobre o que deve ser a sua principal competência, a gestão de riscos, quando os ativos são de alto carbono. Eles também ficam atrás quando em investimentos de baixo carbono e no envolvimento com empresas que investem para reduzir o risco climático.

– Apenas 1% das seguradoras estão avaliando o risco de ativos ociosos em seus investimentos em comparação com 6% dos fundos de pensão, e 45% dos “líderes” globais, aqueles proprietários de ativos que estão fazendo mais para proteger suas carteiras.

– Apenas 5% das seguradoras estão medindo as emissões de carbono de suas carteiras, em comparação com 13% dos fundos de pensão e 74% dos líderes.

– Apenas 8% têm pessoal dedicado à integração dos riscos climáticos ao processo de investimento em comparação com 16% dos fundos de pensão e 97% dos líderes.

– Apenas 3% têm uma política que define como eles se envolvem com empresas investidas em risco climático em comparação com 15% dos fundos de pensão.

– Em média, apenas 0,2% dos ativos das seguradoras são investidos em baixas emissões de carbono, em comparação com 0,6% dos ativos dos fundos de pensão.

Seguradoras investem predominantemente em ativos de renda fixa, mas o relatório adverte que eles estão confiando demais na avaliação de risco dos títulos feita pelas agências de rating , sem fazer sua própria diligência. As agências de classificação estão apenas começando a re-avaliar este risco e a crise das hipotecas sub-prime mostrou que, se elas errarem, isso pode desestabilizar todo o sistema financeiro.

Julian Poulter, CEO da AODP, disse: “As mudanças climáticas representam uma dupla ameaça para a indústria de seguros. As seguradoras enfretam o aumento dos custos de créditos relativos aos impactos das alterações climáticas e as carteiras de investimento que lhes permitam atender essas reivindicações estão expostos a riscos climáticos à medida em que a transição para uma economia de baixo carbono se acelera.

“As seguradoras são especialistas em gestão de risco, mas, embora possam compreender as implicações das mudanças climáticas em suas subscrições, elas não estão conectando os pontos no lado do investimento. É extraordinário que a mão esquerda não parece saber o que a mão direita está fazendo. Ao não proteger suas carteiras, elas estão ameaçando a sua capacidade de longo prazo para cobertura dos sinistros futuros, colocando as apólices dos clientes em risco, e arriscando uma falha sistêmica que poderia ter efeitos catastróficos sobre a economia em geral. Os fundos de pensão estão começando a agir, não pode haver nenhuma desculpa para as seguradoras ficarem para trás “.

$ 4,2 trilhões em investimentos de seguros expostos a riscos climáticos

O relatório anual Global Climate 500 Index da AODP classifica os 500 maiores proprietários de ativos do mundo em seu sucesso na gestão de risco climático em suas carteiras, classificação-los de AAA a D, enquanto que os “retardatários”, que não adotam nenhuma ação, são classificados como X. A nova Análise do Mercado Segurador foca em 116 seguradoras com US$ 15,3 trilhões sob sua gestão, comparando-os com 324 fundos de pensão, com US$ 15,9 trilhões em investimentos.

Apenas um em cada oito seguradoras (12%) gerindo um quarto dos ativos seguros indexados está adotando medidas tangíveis para mitigar o risco do clima, em grau C ou acima. Em contraste, quase um em cada quatro fundos de pensão (23%) representando um terço dos ativos de pensão são classificados como C +.

O índice identifica um grupo de 31 líderes globais, proprietários de ativos classificados de A a AAA, que estão fazendo mais para proteger suas carteiras dos riscos climáticos. Ele inclui 26 fundos de pensão, mas apenas uma seguradora, Aviva, do Reino Unido, avaliada como A. A próxima melhor classificados é da AXA, da França, avaliada como BBB, e a alemã Allianz, avaliada como B.

No entanto, mais seguradoras do que os fundos de pensão reconhecem o risco climático como um ponto de atenção: 59% são classificadas como D ou mais em comparação com 51% dos fundos de pensão. No entanto, o grupo X, dos retardatários que não adotam nenhuma ação, inclui 41% das seguradoras, expondo US$ 4,2 trilhões em investimentos ao risco climático, e 49% dos fundos de pensões, com US$ 5,5 trilhões.

2016 COMPARATIVE PERFORMANCE: INSURERS VS PENSION FUND

.

.

Europe à frente dos Estados Unidos e outros mercados

O índice também revela grandes diferenças entre mercados regionais. Os europeus não só representam 11 das 14 seguradoras classificacas como C+ que estão tomando medidas concretas sobre o risco do clima: suas seguradoras também superam as das Américas e da Ásia-Pacífico em todas as três abordagens para gerir a gestão: gestão de risco, engajamento e investimento de baixo carbono.

Europa – Quase uma em cada quatro seguradoras (23%), com 42% de ativos regionais, está adotando medidas tangíveis. Um quarto das seguradoras (25%) não estão tomando nenhuma ação, colocando US$ 730 bilhões em risco, ou 10% dos ativos regionais. Esses retardatários incluem a alemã Talanx e Grupo Ageas da Bélgica.

Americas – Apenas duas seguradoras norte-americanas que representam 16% dos ativos regionais estão adotando medidas tangíveis: Hartford Financial Services Group, classificada como CC, e Prudential Insurance, avaliada como C. Três em cinco seguradoras (60%) não estão tomando nenhuma ação, colocando US$ 954 bilhões em risco, quase um terço (32%) dos ativos regionais. Entre os retardatários estão dois gigantes dos EUA, New York Life e Mass Mutual.

Asia Pacifico – A Companhia de Seguros Popular da China, classificada como CCC, é a única seguradora asiática tomar medidas tangíveis. Doze retardatários não estão adotando nenhuma ação, colocando US$ 2,5 trilhões em risco, mais de metade dos ativos regionais (52%). Eles incluem três gigantes japonesas com um combinado de US$ 1,5 trilhão: Japan Post Insurance, Nippon Life Insurance e Zenkyoren.

Financiando a transição para uma economia de baixo carbono

Em seu discurso ”Tragédia no Horizonte“, Mark Carney destacou as oportunidades de investimento de baixo carbono e disse que as finanças “verdes” não podem continuar a ser um nicho se o mundo precisa limitar as alterações climáticas.

Ele disse: “O financiamento da descarbonização da nossa economia é uma grande oportunidade para as seguradoras como investidores de longo prazo. Isso implica uma abrangente redistribuição de recursos e uma revolução tecnológica, com o investimento em ativos de infraestrutura de longo prazo em aproximadamente o quádruplo da taxa atual “.

No entanto, o relatório revela que dos US$ 15,3 trilhões em ativos do Índice, apenas US$ 30 bilhões são investidos em baixas emissões de carbono, ou 0,2% dos total. Mesmo entre os proprietários de ativos divulgando investimentos de baixo carbono, as seguradoras investem, em média, apenas 0,8% de suas carteiras em comparação com 3,5% das carteiras de pensões.

Julian Poulter disse: “A Cúpula do Clima de Paris marcou o fim da era dos combustíveis fósseis por comprometer-se a limitar o aquecimento a um máximo de dois graus. A indústria de seguros precisa agora a despertar para os verdadeiros riscos das alterações climáticas, tomar medidas urgentes para proteger os seus trilhões de dólares em investimentos e, com isso, ajudar a financiar uma transição suave para uma economia de baixo carbono”.

Fonte: Aviv

Newsletter

Banners



Outros Sites

Parceiros