you're reading...

Em Português

Conheça o uso do ipê na marcenaria e na medicina tradicional

Na Serra da Mantiqueira, carros de boi são feitos com a madeira do ipê. No Pantanal, os bosques multicoloridos deixam a paisagem mais bonita.

Muita gente já andou sobre o ipê, viajando de trem. Em boa parte dos dormentes das linhas de ferro eram, ainda são de madeira de ipê. A madeira também dá para fabricar carros de boi e a assoalhos de casas. O ipê é hoje a madeira mais cara do Brasil. O corte de ipê se tornou proibido na maior parte do país, até por lei estadual, como em Minas Gerais.

Por uma casualidade, no município de Passa Quatro, a equipe do Globo Rural flagrou um ipê sendo traçado para fazer um desdobra em tábuas. O produtor rural João Carlos Ribeiro explica que é preciso tirar licença para cortar a madeira. “Do contrário eu nunca poderia ter cortado. Estaria preso”, conta João.

Quase sempre, no lugar que escolhe para embelezar, o ipê se coloca na paisagem de maneira pontual. Mas em torno do Morro do Azeite, às margens do Rio Miranda, no Pantanal do Mato Grosso do Sul, o ipê se agrupa de uma forma que arranca mais admiração. Na região, o ipê ganhou fama não pela madeira, mas pela casca, usada como erva medicinal.

Com imensas formações, os ipês revestem a paisagem, feito tapete. O nome de um bosque com essas caracterírticas é chamado de “paratudal” porque no Pantanal esse tipo de ipê é chamado de “paratudo”. O nome “paratudo” vem do costume ainda dos índios de se ter a mata como farmácia. Sendo que o uso de uma espécie de ipê era praticamente para tudo.

Por: Nélson Araújo
Fonte: Globo Rural

Newsletter

Banners



Outros Sites

Parceiros