you're reading...

Em Português

Força-tarefa recomenda que empresas lidem com riscos climáticos

Agricultura e florestas sofrerão grandes impactos financeiros com mudanças climáticas

A Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas com o Clima (TCFD) – criada pelo grupo das 20 principais economias do mundo, o G20, para tentar evitar os riscos climáticos no mundo dos negócios – recomenda às empresas que divulguem como gerenciam os riscos que as mudanças climáticas causam a seus negócios e como estão cortando as emissões dos gases de efeito estufa. Em relatório aberto a consulta pública até 12 de fevereiro de 2017, a força-tarefa concluiu que os setores agrícola e florestal estão entre os grupos que mais sofrerão com a exposição aos impactos financeiros relacionados às mudanças do clima.

As recomendações apresentadas para empresas listadas em mercados de capitais incluem a identificação, avaliação e gerenciamento dos riscos e oportunidades relacionados ao clima, bem como a comunicação de como os riscos climáticos no curto, médio e longo prazo afetam os negócios, as estratégias e o planejamento financeiro.

Os setores de energia, transporte, materiais de construção e edifícios, agricultura, produtos florestais e alimentares, bancos, companhias de seguros, proprietários e gestores de ativos são aqueles com maior probabilidade de exposição aos impactos financeiros relacionados com o clima. Para o setor de agricultura, alimentação e produtos florestais, segundo o relatório, os riscos e oportunidades relacionados ao clima emanam em grande parte das emissões de gases do efeito estufa e da gestão de água e de resíduos, impulsionados pelas práticas de uso do solo

O relatório observa que os produtores, como as empresas agrícolas e florestais, provavelmente sofrerão um impacto maior com eventos climáticos extremos e mudanças nos padrões de precipitação, do que os processadores de alimentos, bebidas, fibras. Estes sentirão os efeitos de uma maneira indireta, mas também terão impactos decorrentes de suas cadeias de suprimento e distribuição.

Recomendações

As recomendações do TCFD para driblar tais riscos financeiros levam à adoção de práticas mais sustentáveis no meio de produção. Segundo o documento, avaliar os impactos dos riscos e oportunidades relacionados ao clima envolve uma série de interações e trade-offs entre os aspectos de uso da terra, água, resíduos, sequestro de carbono, biodiversidade e conservação. Tudo isso considerando, ainda, as metas de curto prazo em torno dos desafios para atender as demandas da segurança alimentar.

Nesse sentido, foram identificadas algumas oportunidades para esses setores, sendo elas o aumento da eficiência, reduzindo o nível de carbono e a intensidade da água por unidade de produção; redução de insumos e resíduos para um determinado nível de produção com práticas de conservação; desenvolvimento de novos produtos e serviços com menor intensidade de carbono e água.

Embora as medidas recomendadas pela TCFD sejam voluntárias, alguns de seus membros argumentam que elas devem se tornar obrigatórias, alegando que só então o risco climático irá se tornar integrante da governança corporativa e da forma como todos fazem negócios.

Acesse o relatório e saiba mais pelo site (em inglês) www.fsb-tcfd.org

Por: Talise Rocha
Fonte: Observatório ABC

Newsletter

Banners



Outros Sites

Parceiros